Oftalmologia

Novembro 24, 2015

Saiba usar equipamentos eletrônicos, sem causar danos à sua visão

Oftalmologista esclarece que doenças podem ocorrer e dá dicas de como evitá-las

 

 

Não é difícil comprovar. Uma olhada em volta já é suficiente para notar que o uso de aparelhos eletrônicos tornou-se uma necessidade quase vital para a maioria das pessoas. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em seis anos houve crescimento no uso pessoal do celular de 107,2%. Já no caso da internet, o aumento foi de 143,8%. No entanto, esse hábito intensivo pode ser prejudicial à saúde, principalmente de um dos órgãos mais expostos a toda essa tecnologia: os olhos. "Fica evidente o aumento de queixas de pacientes no consultório com problemas de visão relacionados ao uso de aparelhos eletrônicos", afirma a oftalmologista do Hospital CEMA, Ticiana Fujii.

 

As estatísticas acima se referem aos adultos, no entanto, é cada vez mais comum que crianças apresentem sintomas, já que elas estão inseridas nesse "frenesi" digital. "Atualmente há um aumento significativo da população infantil que usa celulares, tabletes, videogames. Os pais devem controlar o tempo de permanência dos menores na utilização desses equipamentos", ressalta a especialista. Por exemplo, aquele conceito antigo de que TV faz mal à vista tem sentido. "No entanto, só faz mal quando o tempo de exposição à tela for muito longo. Pequenos períodos assistindo TV na posição correta e com boa iluminação não farão mal à saúde ocular", diz ela.

 

A médica salienta que o pior equipamento, nesse caso, é aquele que faz o olho ter um esforço maior que o necessário. Enquadram-se nesse quesito as telas pequenas, com baixas resoluções, que exigem um foco mais preciso da visão, podem desencadear sintomas típicos da chamada "Síndrome da Visão do Computador": visão embaçada, sensação de cansaço visual, olho seco, dor de cabeça, pescoço e ombros. Nesse sentido, a TV de Led é melhor do que a analógica, pois tem maior resolução e imagens nítidas, o que ocasiona menor esforço ocular.

 

Abaixo, a oftalmologista do Hospital CEMA dá dicas de cuidados a serem adotados por quem fica muito tempo de olho na telinha:

 

- Limite o tempo de uso e faça pausas de 20 segundos, a cada 20 minutos que estiver em frente de qualquer aparelho eletrônico;

 

Cheque a posição do corpo e da cabeça em relação ao computador. A distância recomendada entre o monitor e o olho é de 45 a 70 cm. Posicione o monitor entre 10° e 20° abaixo do nível dos olhos;

 

- Confira a luminosidade do ambiente e da tela do computador. Cuidado com a luminosidade excessiva ou ambientes muito escuros, pois isso resultará em contração ou dilatação das pupilas, gerando cansaço visual;

 

- Opte por monitores grandes, que cansam menos os olhos, e também aumente o tamanho da letra no monitor;

 

Lembre-se de piscar.  Faça isso mais vezes quando estiver na frente das telas (os humanos piscam, em média, quinze vezes por minuto, mas essa taxa diminui para a metade quando as pessoas estão diante da tela dos aparelhos eletrônicos).

 

Informações à Imprensa

Nilza Botteon/Cíntia Ferreira



Estrabismo deve ser tratado na infância

Oftalmologista explica que há tratamento para o estrabismo

        

         Grande parte das doenças oftalmológicas já começam a aparecer na infância. Uma delas e que pode ser um trama para a vida toda é o estrabismo. “O estrábico terá os olhos desalinhados, ou seja, tortos, podendo ser para dentro ou para fora, para cima ou para baixo”, explica a oftalmologista Ana Paula Canto, da Clínica Canto.

Segundo ela, a condição pode ser evidente ou sutil. “Há casos em que olhando para a criança percebe-se que os olhos estão tortos, mas o estrabismo também pode ser sutil, causando uma perda da profundidade do campo de visão ou maior esforço para enxergar. Às vezes, a criança começa a inclinar a cabeça para ver melhor, causando torcicolo”, esclarece.

         Além de afetar esteticamente, o estrabismo pode não desenvolver a visão do olho comprometido, isto é, uma visão mais baixa do que no outro olho. “Se não for tratado a tempo, não tem como melhorá-la nem com colírio, cirurgia ou qualquer tipo de tratamento”, alerta.

A oftalmologista ressalta que o estrabismo nunca é normal e não cura sozinho. “O que pode acontecer é que até os quatro meses de idade os ‘olhos podem dar uma desviadinha’, porém essa situação é rara e por períodos curtos e ocorre porque os reflexos de alinamento ocular ainda não estão maduros”, salienta.

         Dra. Ana Paula explica que, na infância, dependendo do caso, a doença pode ser tratada com óculos ou até cirurgia e exercícios oculares. “Caso haja ambliopia (‘olho preguiçoso’, ou seja, diminuição da visão), ela também deve ser tratada o mais precoce possível. Normalmente são prescritos óculos e exercícios no olho fraco para forçá-lo a desenvolver a visão”, esclarece. “Se o tempo do tratamento da ambliopia passar e não houver resultado positivo, a visão do olho não pode ser recuperada e a cirurgia para correção do estrabismo será apenas estética”, enfatiza.